sábado, 28 de novembro de 2015

Uma quase Ode ao Natal do meu tempo. 28/11/2015

Num tempo de estrelas por cumprir,
sou refugio de sina sem meta,
nos ais que me entram porta dentro!
_ Vislumbro o infinito nos olhares que cruzam a rua,
Mas tudo falta afinal!
E à minha alma escasseia a vontade de sorrir!
São as sombras apressadas que galopam sem sentido:
baluartes destronados num chão de fraco intento.
São as manhãs ribanceiras deslumbrantes:
que aos poucos sucumbem à penumbra do inverno.
E os ais ao cair da noite auguram fantasmas,
onde o amor é tábua rasa na guerra sem rei nem roque.

Digam-me que endoideci.
Convençam-me que os choros das crianças sem pai ou mãe,
são ilusões da minha mente.
Digam-me que me prostitui e que o imaginável é teatral…
Ou espalhafato de ser medíocre.
Digam-me que endoideci.
Que o Natal que se avizinha é tempo de paz,
onde a guerra será expulsa sem retorno.
E o amor embala nos braços todos os pobres sem tecto.
Digam-me que endoideci.
Ao gritar só por dizer palavras de fraco recurso:
Que o Natal é ode soalheira.

Mas não…
Não me forcem a inventar paraísos terrestres,
não me forcem se eles não existem,
Se me entram porta dentro em noticias monstruosas,
fantasmas que julgaram extintos.
Lá por ser Natal, não se cumprem os reflexos das luzes cintilantes!
Não se cumprem as prendas que o dinheiro pode comprar:
 Muito menos em cartões de um Natal frio,
a metade da humanidade.
Jesus, que nasceu num dia a cumprir,
é esquecido numa bala perdida!
No rasto de sangue de uma criança mutilada.
_ Até num chat em conversa da treta.

Andam os homens perdidos em costumes sem miolo,
e os gritos encurralados no entalhe do tempo.
_Estou: afastada de mim e de ti, de tudo o que não entendo.


Quem sabe, não reste pedra sobre pedra,
e se cumpra no virar da esquina o fim dos tempos.
Quem sabe…
Às almas que lhe resta?
_ A nudez de sentimento na escassez de amor,
ou o receio clarividente:
De um Natal com sabor a costas voltadas num mar de espuma,
onde as crianças morrem sem paz!

E ao meu país, palco de teatro enraivecido,
levado na enxurrada da qual resta a alma portuguesa.
Que lhe resta?
E tu, meu amor esquecido, meu ombro, meu refugio,
és também tu meta por cumprir!
Sou eu mulher por descobrir em filhos paridos a ferros;
e a rua lá fora, onde já cheira a Natal,
não passa de uma rua sem rosto.

_O oposto ao que afirmo amiúde!
Arrasto uma ladainha agonizante,
E canto num hino de Natal
o que não vejo. Finjo que não sei!
Até finjo orgasmos para que tu sorrias.
_ E assim dissimulo os receios da humanidade,
ao ofertar em bandeja de prata ilusões que venero!

Hoje… Porém, estou cansada de um jeito teatral próprio à ilusão!
Bato com a porta à utopia.
Bato com a porta porque é Natal,
tempo de dar um nome ao impossível,
e de perfilhar todos os bastardos do mundo.
Sem credo, religiões ou ambições.
É tempo de unir as vozes, as vontades, os olhares,
numa mesma direção.
De obrigar os senhores do mundo a investir na paz.

_Basta: É preciso gritar, com a convicção infantil;
de quem desembrulha uma prenda na noite de Natal.
E no sapatinho redescobre a Estela de Belém,
desnuda e serena.

Mas desnudam-se os corpos e cobre-se o cérebro,
com mantos opacos, onde o sol não penetra!
As opiniões mutiladas em credos enegrecidos,
são arrastões, pelo prazer de arrastar  
os rebanhos de ovelhas pachorrentas,
onde escasseia a lã.
Tosquiam-se nos telejornais as memórias,
os sentires, até o medo.
E o som das palmas nas costas voltadas enegrece a ambição,
de um amor maduro.

_Porque me aflige o que a ti não importa,
A julgar o ultimo dos poetas. Logo ali o ponto final.

Todos os versos a construir são fuinhas
Aos olhos de quem chora.
Não quero que me lembrem a fome que não tenho,
o medo que não vivo. A pobreza de que reino!

Não quero lágrimas de sal, veneno dos dias,
mordaça de uma burca.
No rosto descoberto ao possível…
Muito menos quero compaixão.

Vês como é facilitador o poema sem rosto?
Onde se encaixa a superficialidade do sentir,
onde até o corpo se passeia heroicamente falando.
Mas é natal. Logo é tempo de questionar o vazio.

Viro as costas a 2015, afinal é Natal.
Bailo sem receio à sombra das labaredas,
que afugentaram a paz.
Só porque é Natal.
Oferto beijos, muitos beijos ao ar…
Esqueço, só por esquecer uma só noite.
Mesmo assim: O mundo não pára e na noite de Natal:
Vai morrer um irmão.
No seu sangue que cobre a areia do deserto em que o mundo se tornou,
Emergirá Herodes.
E a andorinha que apagará o rasto da dor,
surgirá nuns quantos proscritos aos teus olhos.

Natal,
sem eira nem beira,
Sem paz, sem força.
Natal que deve ser dos pobres.
Cobre com a alvura da neve e a velocidade de uma estrela,
este ano de 2015.
Amanhã quem sabe: Possa sorrir um menino em Belém.





segunda-feira, 23 de novembro de 2015

No espelho...

Por vezes…
Sente-se uma perfeita idiota;
envolta em mil véus de vislumbre.
Desce à terra, e olha o espelho.
Mas não se reconhece!
Nem à idiota com a qual se confunde;
torna a olhar, ela partiu…
A idiota partiu!
No espelho… A sombra do que foi!


Incerteza...

Neste dia sem tecto pairam os sonhos!
Nas nuvens espessas do desconhecido…
Arrasta-se a fome no choro dos mais velhos.
Barriga vazia de negro embrutecido.

Neste dia sem tecto em todos os momentos,
renasce a esperança! Vislumbre enaltecido,
pela força da vontade. Esquece os choros
o meu país cansado! Na mudança o colorido.

De uma papoila rubra! Mas… tenho medo!
Tenho medo da sombra que vem de além,
Intranquila, confesso: eu tenho medo.  

E se os sonhos se vão em euforia de aquém,
será a vontade inabalável rochedo,
ou da incerteza me tornarei refém!




domingo, 8 de novembro de 2015

Preciso de um abraço...

Preciso de um abraço sem hora marcada.
De um olhar mais atento, um sorriso cristalino.
De uma atenção, de quem me guie pela estrada,
Me leve ao cume do ser… Mas que vida em desatino!

Preciso de palavras honestas. Afinal estou cansada
de vazios… Horas mortas impostas p`lo destino!
Estou cansada! Posso ser um tanto desvairada;
na maneira de pensar. Mas amiúde imagino…

Uma estrada sem curvas… Lá no alto a paixão.
Uma sombra ao fim da tarde e nós dois unidos
por entre os sonhos: em franca comunhão.

E assim: por entre o frio da noite os abraços
pelos quais anseio. São aos meus olhos visão,
na qual embarco renegando os meus choros!


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Sonho...

Reajo às sombras que anunciam a noite…
Desvio o olhar e prendo-o num candeeiro!  
Imploro à lua que um dia se afoite…
A olhar para mim, a me ver por inteiro.

Imploro às pedras que afastem o açoite;
que o vento me dá num instante brejeiro.
Que tragam a esperança e nela pernoite,
uma réstia de luz num querer verdadeiro.

Se me sinto perdida em terra de ninguém…
Recordo os teus olhos, o que me faz sorrir.
Pequenos instantes de aquém… Estão além!

Em todos os beijos e alguns sonhos a advir.
Resisto à saudade nas nuvens que seguem,
o rasto do sonho, e assim vou dormir!

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...