terça-feira, 23 de dezembro de 2014

A Consoada.

Conto de Natal.

(Porque a vida não espera, e Natal são todos os dias do ano...)

Recostado numa confortável poltrona olhava a parede branca sem pestanejar, alheio ao cirandar da mulher, que ultimava os preparativos para a ceia de Natal, tal como nos anos transactos iriam ter a casa cheia. Os filhos trariam as noras que por sua vez trariam os pais e irmãos, e assim ano após ano a família aumentava a olhos vistos. Viriam também os irmãos, os avós e alguns primos e primas. Enfim, uma verdadeira consoada em família, tal como mandam as regras da boa convivência.

Olhava a parede onde sustido por uma vistosa fita vermelha pendia um velho e muito valioso retrato de família, que a mulher nessa manhã tinha esconjuntado do fundo de um baú, guardado há séculos no sótão do robusto casarão que era morada de ambos. Ao colocar o quadro na parede ela não perdera tempo e sublinhou  ´´ a partir de hoje fica aqui, assim ninguém nesta casa esquecerá novamente que somos uma família e como tal que prevaleça a lealdade``.

Na altura não havia ligado às palavras frias da mulher, há muito que se habituara a ouvir sem ouvir. Ou melhor, ouvia mas não lhe atribuía valor algum. Se assim não fosse há muito havia enlouquecido.
Estavam casados para mais de trinta anos, desse casamento haviam nascido quatro filhos, cada qual com a sua vida organizada longe da casa paterna, e assim acabaram a repartir o espaço numa coabitação umas vezes morna outras vezes gélida, no icebergue que é uma união onde o amor há muito desapareceu. Se é que o houvera algum dia, sente que talvez tivesse havido uma amizade, ou um interesse comum, porque o calor de uma paixão nunca sentiu pela mulher nem ela por ele, com o nascimento dos filhos cada um direccionou o interesse pela carreira, numa ânsia tresloucada para acumular sempre mais e mais. Para eles, amor era dinheiro na conta bancaria. Esqueceram ambos que o amor é feito de contacto, quer físico quer espiritual. E hoje ambos a meio caminho da velhice chegam a ter náusea um do outro.

´´ Que ninguém se esqueça que somos uma família`` martelavam as palavras na sua cabeça. Que família, a família dos dias santos, ou a família das disputas onde um tentava sempre humilhar o outro e levar a vantagem nessa humilhação, mau viver tal, que afastava os filhos e os netos da sua convivência.
Levantou-se ao ouvir a campainha e encaminhou-se para a porta da rua que abriu pesaroso.
   - Boa noite pai, eram os filhos que chegavam trazendo atrás de si os restantes.
   - E ela, perguntou a filha mais nova, - vamos ver se este ano a festa não acaba em amuo.
   - A tua mãe está bem, descobriu que afinal somos uma família.
   - Ah, ainda vai a tempo. Quem sabe tenha descoberto também que para além de família, todos tem direito a uma opinião, ou a opções próprias, e principalmente que não existem vítimas, cada um tem a sua dose de responsabilidade na harmonia familiar…

Após a farta ceia, ele sentou-se novamente na confortável poltrona olhando os netos que desembrulhavam os presentes de Natal, por entre as suas mãos geladas tremelicava um envelope que a neta mais velha lhe havia oferecido, lentamente o abriu e do seu interior retirou um bilhete de comboio.
   - É a nossa prenda pai, tens direito a viver o que nunca viveste, tens direito a ser feliz. E para isso só precisas de um empurrão, a vida não espera pai. Os filhos em coro.
   - E ela, olhou a mulher.
   -A avó também tem direito a um, mas com destino diferente para sermos uma família não precisamos do teu sacrifício, eu vou viajar com ela. Apressou-se a neta a responder.

Olhou o velho retrato, onde os filhos ainda crianças lhe sorriam, depois encaminhou o olhar para os homens e mulher na sua frente, que acabaram de lhe transmitir a esperança numa verdadeira consoada.



domingo, 21 de dezembro de 2014

Feliz Natal...

Luzinhas a saltitar
Pirilampos de luz e cor
O Pai Natal a sonhar
Que no mundo já não há dor

Este sonho eu vou transpor
Para um mundo de magia
Com muita paz e amor
Muito riso, muita alegria

Até um simples bom-dia
Eu posso encher de luz
Lembrando Jesus que sorria
Estando pregado na cruz

Minha prece se traduz
Num presente requintado
Um pacote de paz e luz
Para um mundo conturbado

Versos de 20-12-2008.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Espanto...

A míngua de olhar ergue muros,
alcoolizada pode ser a cegueira…
Brado arrancado ao sussurro
De um coração em espanto …

Que é isso afinal? Perdurável sensação,
que ao dar se nega o ter, no ser de agora,
que é isso afinal?

Tumulto de um dia não,
fechado na mão, oh não…
Não. Não gastes saliva em vão.

Escasseia na palavra amor a garra,
crença elevada em brado.
Escasseia nos corpos nus,
nas mentes fechadas,
até nos lábios unidos…

A míngua de olhar ergue muros,
decorados a bolas vermelhas!
Não fossem as luzes brilhantes,
e ficavam por lavrar,
palavras de amor.


segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

A Velha Pasteleira ( Conto de Natal )

        Naquela manhã o branco das paredes afigurava-se mais branco, emoldurado pelo sol matinal de um dia de Inverno, por entre as pedras da calçada que os seus pés pisavam, em passos pesarosos mas controlados pelo peso da velha pasteleira, nasciam a medo galrachos, ervas daninhas difíceis de controlar, até nos passeios da aldeia.
Desconhecia, ou fingia desconhecer que era manhã de Natal, um ou outro transeunte esporádico que com ele se cruzava quase sempre baixava a cabeça, enquanto o cumprimentava num carinhoso bom dia. Assim acontecia todas as manhãs, ia para mais de quinze anos, quando naquele dia fatídico um AVC lhe tolhera para sempre os movimentos, ficando ainda assim com capacidade de locomoção vagarosa, fez então da bicicleta a sua bengala, e passou a percorrer as ruas da pacata aldeia alentejana todas as manhãs, quer fizesse sol ou chuva. A conselho do médico que o havia avisado, ou se habituava a andar a pé, e a comer com moderação, nada de fritos ou enchidos, e doces só de vez em quando, tinha também que cortar no tabaco e no copito de vinho que eram o seu consolo, ou ia desta para melhor, não restavam dúvidas.
Havia saído de casa, eram mais ou menos oito horas da manhã, sobressaltou-se com os lamentos do sino da igreja a anunciarem as nove horas, em compassadas badaladas. Como era possível só ter percorrido duas ruas e já ser tão tarde. As suas pernas cada vez mais cansadas ficavam a cada dia que passava, mais e mais preguiçosas, mas como era burro velho jamais lhe levariam a melhor, o coração também já não ajudava, e às vezes implorava a Deus para que o chamasse a si, ali, nas pedras do velhinho passeio, por entre os malditos galrachos. Logo os pensamentos de morte, deitava para trás das costas, como se atrevia a desejar tal coisa se a sua menina precisava tanto dele.
Apressou o passo de volta a casa, como se isso fosse possível, porém a sensação de andar mais depressa trazia-lhe aos lábios um sorriso, e a lembrança dos olhos negros que o esperavam em casa deixavam-no mais jovial. A sua menina era a luz dos seus olhos.
    - Bom dia Amélia, está um dia lindo.
Cumprimentou-a ao entrar no quarto. Tinha encostado a pedaleira religiosamente a uma das paredes do corredor que dava acesso à casa. Esta ficava por detrás de um velho armazém de cereais, agora sem vida mas que em tempos deu de comer a nove empregados e suas famílias. Sinais dos tempos modernos e da crise que assolou a vida de muitos. Com ele as coisas tinham sido diferentes, com a doença foi obrigado a fechar o negócio, como descendente um único filho de que há muito perdera o rasto. Havia o Emanuel, assim se chamava o filho, cruzado o oceano em busca de aventuras, que o dinheiro do pai proporcionavam, e um dia nunca mais chegaram notícias. Acreditava que o filho estava vivo, ao contrário do pessoal da aldeia que há muito o enterrara. Como não estava para que o apelidassem de velho louco, nas poucas conversas que mantinha sobre o assunto com algum vizinho, rematava sempre – se o meu filho fosse vivo. Ou então - paz à sua alma.
  - Então minha menina, hoje não cumprimenta o velho pai.
Ficou sem resposta, mas ia jurar que ela lhe sorrira. Como se não bastasse o maldito AVC, e o desaparecimento do filho pelas estradas da vida, brindara-o esta com a doença da mulher. Alzheimer, a maldita doença que tolhe a memória, e aos poucos a sua menina foi ficando cada vez mais menina, nem sequer se lembrava de ter sido mãe.
Por entre os pensamentos a vestiu e a sentou na cadeira de rodas, que empurrou a custo para junto da velha chaminé. Onde ardia um garboso madeiro de azinho, protegido por uma sólida grade de ferro fundido. Não fosse o diabo tecê-las e a sua menina cair ao lume.
Estava o tio Horácio a tentar convencer a mulher a engolir as sopas de leite do pequeno-almoço, quando umas pancadas secas no velho portão da entrada lhe chamaram a atenção.
    - Espera um pouco, vou ver quem é, não saias daqui.
Pediu ao sair para o corredor, frio e desnutrido de vida. Ainda afagou a velha pasteleira ao passar.
O homem que o portão escondia, tremia que nem varas verdes, não tanto pelo frio e sim pela saudade.
   - Bom dia…
Balbuciou o velho olhando-o intrigado, iria jurar que os olhos pretos por detrás das grossas lentes não lhe eram estranhos, tentou adivinhar as feições que a branca e farta barba escondia, mas o seu coração de velho conteve-se.
 - Bom dia, pai. Feliz Natal.

Estão agora os três, sentados em frente do braseiro, até os madeiros mais robustos, sucumbem às labaredas, e eles quase sucumbiram à vida e à distância, porém Deus acaba sempre por escrever certo por linhas tortas, e quem sabe sejam as dores o verdadeiro inferno, mas a esperança traz sempre uma nova aurora.
No dia seguinte talvez ganhasse coragem para conversar como filho sobre tão longa ausência, mas era dia de Natal e no Natal é tempo de viver.
Até a sua menina cantarolou, aquela cantiga de embalar com que adormecia o filho, quando bebé. Porém ao terminar perguntou com um brilho maroto nos olhos pretos.
 - Vocês os dois, quem são?
O Pai e o filho olharam um para o outro  e foi  o velho pai que respondeu.
  - Ninguém, somos ninguém, e ao mesmo tempo somos duendes, existimos para que tu sorrias.
   Ela deu uma gargalhada. Ao longe, na praça da aldeia o sino redobrava a Ave-Maria, assinalando que já era meia-noite.
E Jesus nasceu.

Antónia Ruivo, Dezembro 2014
Foto: Antónia Ruivo.



terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Gosto de sair para a rua. (Crónica do esquecimento).

Como mulher ligada às letras gosto de sair para a rua, e este sair para a rua levaria o leitor a pensar que gosto de bater perna por aí, ao sabor da descoberta. Pode ser que sim, pode ser que não.
O facto, ou o ´´fato`` que a concórdia recente em volta da língua mãe e que me salta à vista em tudo o que é escrito nas bancas de jornais, ou nas telas televisivas, mas que eu e uns quantos revolucionários linguísticos teimamos em ignorar. A bem dizer, aqui o termo revolucionário transporta um sentido antagónico à coisa. E arrisco assim meia dúzia de olhares de esguelha,  pois li algures por aí mais ou menos isto. Que o acordo é tão-somente um salto no futuro, tudo é mutável, e revisões à língua materna tem vindo a acontecer esporadicamente ao longo dos tempos, rematava o artigo com uma reflexão muito bem elaborada, por sinal, sobre a origem do latim e a sua influência na língua portuguesa ou no galaico, assim como o salto para o actual português, que não vem agora ao caso, de Latim não percebo patavina.

Por isso mesmo adiante, o facto é que o tempo urge e conversa que se perde nas entrelinhas numa ânsia de perdurar, normalmente é sol de pouca dura. Assim sendo dou asas aos pensamentos numa tentativa de que o meu ´´latim`` não vá por água abaixo. Tal como as aspas que gosto de utilizar nos textos que escrevo, e que às vezes se perdem em contramão no Facebook, e volta e meia lá vem uma alma caridosa elucidar-me que esta ou aquela palavra caiu em desuso, ou que é gíria, outras vezes que é lastimoso que eu, logo eu, que tenho a mania que sou escritora não tenha cuidado redobrado com os termos utilizados naquilo que quero transmitir. Será de bom-tom informar, que normalmente o faço com a noção perfeita do efeito que determinada frase ou palavra em desuso terá no leitor. Imodéstia minha, assumo, é tão-somente a minha contribuição para que a lembrança não falhe.

A lembrança, ou ´´alembradura`` alcançará o auge se se souberem preservar memórias, e claro está, a língua é e sempre foi a nossa memória palpável.

A ´´ alembradura`` é para aqui chamada porque frequentemente a ouço a rapazes e raparigas enquanto esperam o autocarro, na praça fronteiriça á minha casa, e dou por mim a rir a bandeiras despregadas do português que os miúdos de agora falam. Sem que deixe de ficar estupefacta com o papel da escola para que assim seja, este meu estado pasmado deve-se à memória bem latente da palmatória da professora Rosário Maltez, a cada facada que eu dava na língua mãe.
Voltando ao sair para a rua, gosto de sair para a rua, de me perder nas conversas alheias, estou mesmo a ver, lá me vão acusar de cusca. E conseguiria eu colocar alguma coisa no papel se assim não fosse?

Para terminar apraz dizer que tenho saído para a rua nas últimas semanas, e que apesar das luzes natalícias não cheira a Natal, as conversas não cheiram a Natal.

Cheiram a velhice, a ordenados em atraso, a crise nas pedreiras e nos outros sectores da economia, cheiram a angústia.

Mas como sou cusca e acima de tudo inconformada, gostava de ter saído para a rua e que as conversas mais ou menos intelectuais tivessem descaído na última semana no Ranking das Escolas 2014 e do resultado da escola que a minha filha frequenta, constar nos últimos lugares da lista.
Coisas que a ´´ ALEMBRADURA`` das conversas estudantis enquanto esperam pelo autocarro me traz à ´´ MIMORIA``
Gosto de sair para a rua e de ouvir, mais do que conversar, gosto de sair para a rua e de ouvir os desconhecidos, bem mais do que aqueles que tal como eu se julgam intelectuais.

Só assim as palavras que escrevo têm algum sentido.
Dizia-me um dia destes um antigo professor, ao ser-lhe apresentada por um amigo.
 - Ah, escreve poesia, espero que saiba transmitir alguma coisa naquilo que escreve, senão não vale a pena.
Respondi, -acho que não sei escrever palavras bonitas aos olhos de quem lê-.
Olhou-me incrédulo, como quem diz.
´´ Pois sim``…

Antónia Ruivo.

Peças de Xadrez...

    -Não desistas de mim- imploraram teus olhos de mel.
Instante denegrido pela sofreguidão do domínio.
    -Não desistas- como se palavras fossem adagas, do ser…
E o medo não matasse o viver.
Sentenças arremessadas a preceito. Pano que tenta cobrir o mundo.
Um mundo, que não extingues…
Preguiça sobranceira onde insistes!
Ou não fosse o coração terra que ninguém pisa.

   - Não desistas de mim- pediram os teus olhos ao início do Outono.
Rogaram novamente ao despontar da Primavera.
E no calor do Verão soterraram ambições! Estio propício ao engano.

Como se desistir, não fosse cartas de baralho viciado,
Ou peças de xadrez mal jogado! Onde o peão a reboque da dama
Empedernisse o rei…

São os teus dias cinzentos… Olhos paredes meias com nada.
 Não desistas. Ou todos os sonhos serão restolho com morrinha

Sou eu que te digo. Eu, na vida fuinha.


Natal fecundo...

 Do fundo dos teus olhos resvalam cascatas,
Onde pernoita a esperança. Porém é triste
O teu olhar criança. Quisera que sorrisse
O negro das vestes pintalgadas de borboletas.

E voassem Aladino`s nas suas parcas asas,
Ou não fosse o teu sonho templo que resiste
À loucura humana. Criança mulher aliciaste
A minha pena insana. Ai tristes palavras…

De poeta inglório. Quero dar ao mundo
Retalhos de luz, quero dar ao mundo fantasia!
Mas tudo é tão negro, de esquiva alegria.

Quero dar ao mundo um Natal fecundo,
Recantos sem sombra num leito com alma.
Ambiciono dar ao mundo… Crianças com vida.


  
 Foto: Alfredo Cunha.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Ser feliz...

Dou pelo amor, horas calmas...
É lá que pernoita a vontade!
Mas; desliza singela pela correria...
Ou na desventura da cegueira.
Esguio é quase sempre o salitre,
 no rodapé do silêncio!
Dou pelo amor em fracções de segundo...
Resvala submerso no nó da garganta.
Atrofia a vontade onde a lágrima jorrada:
Não passa de bulício em aflição!
E assim dou por mim a pensar:
Quanto ingrato é o medo de amar.
Ou a vontade de abraçar!
E assim dou por mim a pensar:
Que a pena sentida é sombra...
Escarpada na ignorância,
de ser feliz!

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Comentadora de bancada. (Crónica)

Passo muito tempo comigo a sós, muito desse tempo é gasto com a poesia, mas de vez em quando há uma frase, situação, ou estado de alma que promovem um recolhimento em torno da mulher que sou enquanto poeta, e sobretudo enquanto cidadã de um país envolto no desgoverno social. Todos sabemos onde pairam os culpados desse desgoverno, melhor seria e melhor viveríamos se assim não fosse.
Com o passar dos anos e com um percurso de vida que me levou do berço rural para o reboliço de Lisboa durante duas décadas, sei que aqui há meia dúzia de anos atrás ainda estava convencida que sozinha conseguia mudar o mundo, a meu bel-prazer, e o pior de tudo é que às vezes achava que se determinada coisa fosse boa para mim por acréscimo seria boa para todos.
Quero chegar com a conversa ao dia em que decidi mudar o mundo numa pequena vila do concelho de Montemor-o-Novo, e candidatei-me à junta de Freguesia de Santiago do Escoural como independente nas listas do PS. Foi na lista do PS como poderia ter sido na de outra força politica qualquer, tinha é que ser da oposição. Convém dizer que embora estivesse convencida que tinha capacidade para mudar o mundo, sabia perfeitamente que ser politico neste país algumas vezes é somente achar que ser diferente, ter ideias diferentes, trabalhar de forma diferente, basta que a árvore ao ser plantada fique dois ou três milímetros, ou mais para a esquerda, ou mais para a direita, e que assim o trabalho executado prima por essa mesma diferença. Há muitos anos vesti uma cor política mas também há muito tempo que optei por olhar de fora os partidos.
Não ganhei a eleição e vi-me na cadeira da oposição numa pequena junta de freguesia, no meio rural alentejano, eu, a cidadã que achava que mudar o mundo era tão fácil, até ao momento em que me defrontei com a realidade dos números e comecei assim a descer do meu patamar elevado, dei por mim a olhar com outros olhos a luta de quem está à frente das instituições no meios rurais, onde os orçamentos e as verbas disponibilizadas são digamos, dadas por cabeça, eu explico, quanto maior o número populacional, maior as verbas que chegam de Lisboa. Durante quatro anos fiz oposição, muitas vezes votei contra, com o que achava estar mal, mas muitas mais vezes votei a favor com respeito pelo trabalho desenvolvido em prol da população, à custa de muitas horas depois de um dia passado no seu local de trabalho, o executivo da junta trabalhava o melhor que sabia para gerir os fracos recursos que eram de todos nós. Também aconteceu meterem os pés pelas mãos na caça ao voto durante esses quatro anos, para isso serve a oposição, com respeito e bom senso entre ambas as partes, porque se a roda virar de rumo também ela, oposição, entrará pelo escaparate da caça ao voto, não tenhamos ilusões.
Não sei muito bem porque me lembrei disto agora, talvez seja porque estou cansada e como eu a maioria da nossa população, de ver políticos, uns de trazer por casa, como eu, outros a nível nacional, atirarem para a praça pública promessas impossíveis de cumprir perante a realidade financeira de Portugal. E o pior de tudo, de ver a roda-viva em que algumas pessoas entram com a demagogia eleitoral, ao vestir a camisola desta ou daquela promessa politica.
Como estou cansada decidi hoje ser também eu, comentadora de bancada, e faço desta crónica à semelhança do que fiz em anos anteriores o meu apelo de Natal. Desta vez um apelo mais generalista, todos vós que me lêem com alguma regularidade, em poesia ou em prosa, sabem que em quase tudo o que escrevo sou movida por um olhar crítico em relação ao meio, não me assumiria poeta se assim não fosse.
Que se deixem de lado guerras e guerrinhas, que se unam as vontades, que haja respeito pelas opiniões contrárias, mas sobretudo que se saibam unir esforços em prol das gerações futuras.
Só assim Portugal deixará se estar na cauda da Europa, só assim se começará a ter vergonha ou orgulho novamente.

Feliz Natal, porque mais perto da quadra não terei tempo para crónicas.


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Cante...

Na tua dolência estival, pedaço de chão maior,
Corres na cauda do vento numa esperança soalheira.
E num azul acordar, um hino em ré menor,
Deslizas numa samarra, numa lua aventureira.

Esculpido na terra virgem Alentejo é o louvor
Dos que transportam no sangue o verde de uma azinheira,
E a paz dos descampados se assemelha a trovador,
Com seu cante nos embala em voz fresca a cantadeira.

Que canta mano a mano com homens de tez morena,
Passos lentos vão pisando as pedras nuas da rua.
Em voz grave todos cantam modinhas ao por do sol,
No peito bordada a oiro brilha a Pátria, seu farol.




quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Se o poema não sangrar...

No dia em que o filho da P…ta não sangrar
Deixarei em paz os empedernidos.
Nesse dia, fecharei em cova rasa a poesia
E dançarei na praça ao som da liberdade.
A minha, muito minha Liberdade.

Partirei ao meio o lápis par a par
E os cadernos bolorentos
Em todas as rimas sem maresia.
Passarei a viver da vaidade
Acumulada na verdade.
Muito minha…

Nesse dia as filhas sem pai
Deixarão de se prostituir
Junto das filhas amadas.
E os bons rapazes serão varões
Gerados nos colchões
Sem povo.

Serei então comida pelos bichos
Também em cova rasa mas fecunda
Que terá na lápide desenhada a giz.

Morreu a insanidade do poema embrutecido.





Às vezes...

Às vezes acho todas as palavras desnutridas
Todas as pretensas obras de arte iludidas
Despidas de sentimentos.

Às vezes acho os poetas tão chatos
E as crianças tão traquinas
As pedras da rua, penso…
Serão ´´astros`` tombados com falta de ar
E os versos ou as frases, falta de mar
Em terra sem destino.

Às vezes acho que sou abissal
Com um olhar informal.
Outras que sou o diabo à solta.
Às vezes não tenho paciência…
Nem para ler, queria morrer
Ao empanturrar-me de letras.

Depois digo de mim para mim.
Desliga o botão… logo ali tropeço
Em versos e reversos sem miolo.

Às vezes acho os poetas tão chatos!
E coloco o pé bem no cimo do bolo.
Dou por mim engolindo a cereja
Tal criança sem limites.







Assombro...

Caiu na rua o assombro, preso nas folhas de Outono!
Houve gente abismada, um sururu, intragável.
E nas pedras da calçada até ruiu o bordel…
Saiu à rua o assombro. O Rei caiu do trono!

Pergunto neste dia, em que às vezes tenho sono.
Serão os cães ventania, as palavras carrossel,
serão os homens, feras famintas a granel…
Ou então; chegou o fim dos tempos. Mono...!

Ou macacada ilusória num reino de meio sem ponta…
Jaz estendida na montra de uma qualquer baiuca!
E depois adivinho-me barata tonta.

Nada será igual! Tudo nasce e desponta.
Mas... mais dia, menos dia, logo cai a peruca.
Resta acreditar que o amanhã é que conta.



quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Amor...

Não cantes Pátria inglória
Berço de poetas tresloucados
Esquece na valeta a tua história
Da bandeira esfiapa os brocados.

Não cantes em voz dolente
Amor, ou a cor dos sentidos.
Renegas num fado miserável
O povo e seus gemidos!
Não cantes Ave-marias…
Quando todas as Marias
São Marias em desgraça.
E os Maneis…
Carcaças que mendigam na praça.

Não cantes, não te atrevas…
Repara no muro dos lamentos
Ou então…
Nos rostos quando cantas,
AMOR, AMOR, AMOR!
Engolido nas gargantas
Dos que tem fome.

Foto: Alfredo Cunha



terça-feira, 11 de novembro de 2014

Amei...

Amei por entre as flores da primavera,
Sem espaço p`ra chorar a desventura!
Pois quem ama exalta ou desespera,
Igual à sorte que perdura na candura.

De um beijo ao luar. O jus de uma quimera,
É quase sempre a ponta de ternura.
Que nos empurra ou degenera,
Em noite clara envolta na loucura!

De dois corpos cansados no viver…
Ou então, caminhos a par, insurreição.
Será o amor uma leitura a aprender.

Ou será simplesmente certeza e o prazer,
Que na morte nos embala, a perfeição…
De que amar é vida além sorte a acontecer!




quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Se nada vês…

Partindo do princípio que nada sabes.
Então o porquê que assola,
O meu coração quando abres
A porta ao sentir na esmola.
Minutos inacabados que deixaste
Atrás.

Se nada sabes ou sentes.
Porque gritam os teus olhos
Contigo a sós!
Porque moem os meus sentires
Igual a Mós.

Talvez porque a terra é redonda
E o tempo atrás exista,
Numa era recôndita.
Esta vida seja uma partida.

Partindo do princípio que nada vês
Além do dia-a-dia sem sal.
Então porque choras e não crês

Num destino ancestral…

Ao Ler...

Existem coisas que não entendo, recuso entendimento.
Palavras truncadas, acções exaltadas em passos trancados.
Que saber…
Para que serve a amputação do verbo, se tudo é simples,
em letra ligeira.
Ou então floreados descabidos do cerne…
Existem coisas que não entendo, nem me esforço,
guardo o alcance para o que vem a seguir.
Vaidade minha, esta falta de entendimento,
Cuido dela ao dormir ao relento, por entre as gentes!
Numa terra sombria a raiar de sol!
Embrenhada na sombra que as ovelhas procuram…
Ai… tão estranha forma de ser em formato gasto p`lo sal,
que as memorias brotam sem vergonha! E depois não entendo…

Recuso entender arabescos floreados no ler.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Simples… Prosa Poética.

Simplicidade, essa palavra singela que desliza enrolada nos dias,
sobrevoados por sonhos, onde os receios dormem.
É tudo tão simples e tão complicado!
A minha e a tua mente paredes meias no ser, afastadas nas firmezas.
Deslizo segura na minha insegurança, deslizas tu inseguro na inseguridade…
Tua companheira de horas mortas, tão torta mas tão segura.
Deslizo sem medo pelo sentir que assumo. Deslizas com medo de perder.
Tão simples quanto isso. Simples como só os simples conseguem ver.
Perguntam certezas ancestrais. – Será simplicidade arrogância?
Respondem inseguros e marginais os sentidos.
 - Sobranceira é a certeza, simples morte dos sonhos.
Então do que falo afinal se nem eu entendo, entenderás porventura…
O amanhã que espera frio e cauteloso, porque agora com naturalidade,
o amor fica guardado no baú das proezas.
É tudo tão simples e tão complicado, como se dois e dois não fossem vinte e dois.
Como se morrer e viver não fosse tudo igual.
A morte de um sonho pode ser a vida de um novo despontar!
Simplicidade palavra fácil mas que invertes quando omites o ser.
Simplicidade na arrogância com que vasculho o teu querer.
E então, então… estarão de mãos dadas a singeleza e a soberba,
com que nós dois vivemos de costas voltadas.



  

Sombras… Prosa Poética.

 Como não… penso comigo enquanto procuro explicação para os medos,
para o teu olhar aguado, onde pernoitei em delírio.
Como não… Quão melindrosa é a razão. Sombras numa parede qualquer,
vestimenta de mulher. Exuberante saber, simples sentir…
Porque a simplicidade é gomo de tangerina saboreada com fervor,
é mel por entre os dedos, escorre vertiginosamente pela mente.
Eleva assim ao monte mais alto o amor!
E o medo… ai o medo de arriscar a ser feliz, atira contigo ao chão.
  -Como não?
Perguntam as vozes que te assombram no sono. E tu dormes,
aconchegado nas certezas, e as incertezas pairam no escuro.
Não te atrevas a respirar, a chamar, a sentir, o cheiro de Abril.
Não vá a sombra que espreita pela fechadura, acordar os mortos.
E nesse dia a Primavera chegará aos campos… Como não.
Penso comigo enquanto no meu receio os teus medos dançam em castigo.
 E o amor definha sem abrigo!


Procura… Prosa Poética

Tempos houve em que o ser tremia, ignóbil sensação de perca,
descabelada rebolava sobre mim mesma, ânsia incontrolável num labirinto.
Onde todos os sentidos mergulhavam no irrequieto que é ´´ não controlar``
as tuas ambições…
Tempos houve em que à tardinha, sentada na soleira da porta,
onde o alpendre assemelha regaço, chorava… a ausência!
Em momentos propícios ao receio de perder.
Hoje, às portas de um outono pardusco vejo o quanto errei.
Não se cativa melancolia que não nos pertença!
Muito menos é utopia a dor em espasmos.
E agora talvez interrogues as gotas de chuva, que trazem à terra vida nova.
Que é feito de mim, que é feito da tábua rasa onde pernoitastes…
Dir-te-á a morrinha outonal - Procura por ela nas esquinas, nos montes e nos pensamentos.
Procura mas não te percas, na perca do que nunca aconteceu-...

Foto de Alfredo Cunha.



  

Perco-me de ti... Prosa Poética.

Perco-me de ti aos poucos, as recordações retidas nos socalcos da memória,
começam a ter a cor do bronze.
E os dias outrora tingidos pela condolência, escorregam agora nas teias da nostalgia.
Matreira vai e vêm como as marés.
Perco a tua imagem, o teu clamor… Dissipa-se a vida vivida na corda bamba.
Pergunto então ao vento que visita amiúde a minha vertigem…
   - Será a recordação, marasmo?
Será certamente água a correr p`ro mar! Teias de aranha que envolvem como véu…
Ou então… será o ar que leva ao coração uma nesga de sonho!
Perco-me de ti aos poucos e na demanda acabarei por perder parte de mim,
aí mendigarei por nenhures, levarei encrostada na alma a ternura,
e quando dormir finalmente no aconchego do barro, escreverei com o branco da cal.

Só assim a memória valeu a pena.

domingo, 2 de novembro de 2014

Repouso...

Rebolam as pedras pela ladeira,
Depois da canseira ao subir!
Rebolam as dores, os risos
Os partos adiados.
Até a vida, rebola.

Rebolam os sonhos
Em dias seguintes,
Ironia em matizes
Que adornam os dias…
Vejam bem!
Tudo rebola depois da subida.
E a sorte repousa na cova mais funda,
Onde a terra se atreve a dormir.

Não reboles tu no tempo que é teu.
E assim desperdices pouco mais que nada,
Pequena fortuna que ao nascer herdaste…
Não rebolem aparências perdidas no ego,
Nem aflição no coração escondida.
Assomo fantasmagórico que impões
Ao mundo em redor.

E assim no buraco mais fundo,
Onde a terra repousa,
Encontres paz e a saudade p`ra trás,
Faça de ti deus… Sem pés de barro.




Estranha Paixão no Youtube


sábado, 1 de novembro de 2014

Corro...

Falta a outra metade.
A que está colada na alma
E se transfigura em partículas,
Tão finas, tão finas,
Que circulam no ser…

Falta um tempo
Na ausência de mim.
O sorrir que tanto me larga,
Até o chorar me falta
Num espaço sem fim…

No entanto corro
Atrás do vento!
No entanto grito
Na alvorada!
É que a esperança dobrada
Em dias estivais,
Traz ao meu âmago o crer

Num amanhã de paz.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Tão...

É tudo tão, tão polido…
É tudo tão, tão, tão!
Alarde vendido a metro,
E a montra a ver...
Acaba por parecer.

É tudo tão polido,
Confusos os sinais indagam.
Será por ventura castigo
Ou são nuvens de fiapo,
Sem humildade

Para olharem o espelho…

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Poesia...

´´A poesia é rima clara``
Perguntou ninguém a outro.
 Riu na sua cara
 E respondeu contrafeito.

Poesia é água na fonte,
Melodia ao nascer do dia.
Gesto de amor carinhoso
Raiva e magia.
Sobretudo inquietante,
Expectante ou distante.
Poesia é ser queixoso.

Levar nesse queixume
Pétalas de amor-perfeito.
Imperfeição nas palavras
Pode ser. Ou então…
Então, sangue que desliza no colo
De uma mulher em parto.
Deve ser calos nas mãos,
Suor de um camponês,
Um pobre que pede esmola.
Um bebé a chorar!
Poesia deve encantar
E sobretudo ficar.
Na retina além tempo.

Poesia também é rima
Mas muito mais que isso
É mutação em palavras
Que deslizam em safras
Corredias.

Ninguém olhou o outro,
Não sabia do que falara.
P`ra ele poesia era

Rimar e pronto…

Caminho...

Que não se percam os dias
Na poeira da estrada,
Nem as aflições geradas
Pelo irrequieto da vida.
Que não se perca o sorriso,
O choro até a raiva.
Muito menos o sonho…
Sob a incapacidade de ir além,
Onde as quimeras repousam.

Não te percas tu meu amor de outrora.
Não me perca eu no sentir de agora.
Que não se perca nada ao longo do caminho,
As lembranças são ramo de azevinho!

Adornam a alma na hora de sair.

Baldios...

Nos espinhos de um cardo elegi o sorrir,
De igual modo sepultei pretensão!
Aquela que trazia no ente a florir,
Ao contacto irrequieto da tua mão.

Nos baldios campestres atrevi-me a cair.
Senhora de mim, semeei afeição.
Claros sentimentos no campo a florir,
Que buscam a água na languidez do Verão.

Ou não fosse a água a seiva da vida.
Ou não fosse o amor uma flor tingida,
Pelo colorido que é o sentimento!

Ou não fosses tu quimera roubada
Aos sonhos de ontem de uma assentada…
Ou não fosse o rir cantiga no vento!

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...