sexta-feira, 24 de maio de 2013

Incertezas



 
Foge de mim o vento num raio de sol
Ora cá, ora lá caminho adiante
Nada é como era, nada parece ter
A leveza no ser a certeza da hora
Em que as aves se aninham num ninho que chora

Foge de mim como sempre inconstante
A castidade nas incertezas em rol  
Nada é ou volta a ser como antes
Porque o vento já não se demora
E o alento é o vazio que implora

sexta-feira, 17 de maio de 2013

A força



Deixei de saber
Escrever em verso
O verso bonito que queres ler
Deixei de saber o reverso

Da mesma medalha que é poesia
Num dia-a-dia que apela à razia
Dos sentimentos coalhados em lago azul
Onde as lagrimas repousam ao sul
Trouxe-me a gente o eco do medo
A vida os passos do acaso
Trouxe-me Deus a esperança

Naquela criança que repousa em meus braços
Traz-me o país o verde dos campos
Onde as papoilas levitam ao sol
Mas não me traz a paz como antes, em rol
E assim em força forjava versos raiados de sol.

Ser poeta é utopia...

Não sei, nem sequer sei a cor dos dias frios!   Se o céu é azul ou cinzento afogueado.    Nada sei de  efémeras  fantasias.  Delírio...